A taxa Selic é a taxa básica de juros da economia, que influencia outras taxas de juros do país, como taxas de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras. A definição da taxa Selic é o principal instrumento de política monetária utilizado pelo Banco Central (BC) para controlar a inflação.

A Selic é a taxa de juros média praticada nas operações compromissadas com títulos públicos federais com prazo de um dia útil. O BC realiza operações no mercado de títulos públicos para que a taxa Selic efetiva esteja em linha com a meta da taxa Selic, que é definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

Uma das maneiras mais diretas pelas quais a taxa Selic afeta o mercado imobiliário é através do custo dos financiamentos. Quando a Selic está alta, os juros cobrados pelos bancos em empréstimos e financiamentos também tendem a ser mais elevados. Isso ocorre porque a Selic serve como referência para outras taxas de juros da economia. Portanto, com juros mais altos, o custo dos financiamentos imobiliários aumenta, tornando mais caro para os consumidores obterem crédito para comprar imóveis. Isso pode reduzir a demanda por imóveis, uma vez que menos pessoas estão dispostas ou são capazes de pagar as prestações mensais mais altas.

Com a Selic elevada, investimentos em renda fixa (como CDBs, LCI, LCA, entre outros) tornam-se mais atrativos devido aos rendimentos mais altos e ao baixo risco. Isso pode desviar recursos que, de outra forma, poderiam ser investidos no mercado imobiliário. Investidores podem preferir aplicações financeiras em vez de investir em imóveis, diminuindo a demanda e possivelmente impactando os preços dos imóveis.

Diminuir é preciso. Isso quer dizer que a redução da taxa de juros é peça-chave para o desenvolvimento saudável de todos os CNPJs brasileiros, não somente para aqueles ligados ao setor imobiliário. Afinal, quando a taxa é menor, as construtoras conseguem maior acesso ao mercado de capitais e não dependem apenas do financiamento do FGTS, um ponto limitante para os negócios.

De olho no panorama atual, podemos dizer que o mercado está aquecido devido às iniciativas governamentais que alteraram os programas habitacionais, como o aumento do teto do Minha Casa, Minha Vida (MCMV), o FGTS Futuro e a expansão do prazo de pagamentos.

Do ponto de vista do cliente, a redução da taxa de juros torna a compra do imóvel mais acessível. Aqui, a explicação está na redução do comprometimento de renda dos compradores e a melhora das condições de empréstimos vindos dos bancos e instituições financeiras. Hoje, em aquisições do MCMV ou FGTS, a taxa é fixa e varia entre 4,25% e 8,16%. Porém, apesar da taxa fixa, sabemos que o poder de compra dos clientes é primordial para o pagamento do valor com recursos próprios, por exemplo.

A relação entre a Selic e os preços dos imóveis é indireta, mas importante. Quando a taxa está alta e os financiamentos ficam mais caros, a demanda por imóveis tende a diminuir.

Com menos pessoas comprando, os preços dos imóveis podem estabilizar ou até cair, especialmente se a oferta de imóveis for maior do que a demanda. Em contrapartida, quando a Selic está baixa, os financiamentos ficam mais acessíveis, o que pode aumentar a demanda e, consequentemente, os preços dos imóveis.

A taxa Selic também influencia o comportamento dos consumidores de forma mais ampla. Taxas de juros mais baixas incentivam o consumo e o investimento, pois o custo do dinheiro é menor. Isso pode levar a um aumento nas compras de imóveis, tanto para uso próprio quanto para investimento. As taxas mais baixas podem melhorar a confiança dos consumidores na economia, encorajando a realização de grandes compras, como imóveis.

Para as construtoras e incorporadoras, a taxa Selic impacta os custos de financiamento de novos projetos. Quando a Selic está baixa, as empresas do setor imobiliário podem obter crédito a custos mais baixos para financiar a construção de novos empreendimentos. Isso pode resultar em um aumento na oferta de imóveis no mercado. Por outro lado, com a Selic alta, o custo do crédito sobe, o que pode desencorajar novos projetos e diminuir a oferta de imóveis.

A taxa Selic tem uma influência abrangente no mercado imobiliário brasileiro. Através do impacto nos custos de financiamento, na atratividade de investimentos alternativos, nos preços dos imóveis e no comportamento do consumidor, a Selic desempenha um papel crucial na dinâmica de oferta e demanda no mercado imobiliário. Assim, mudanças na Selic são acompanhadas de perto por todos os envolvidos no setor, desde consumidores e investidores até construtoras e incorporadoras.